Arquivo da tag: museu

Museu do Corpo Humano

01-hum-image-by-big-mir-01_original

Museu do Corpo Humano

 

Ficha Técnica

Arquitetura: BIG

Líder do Projeto: Gabrielle Nadeau

Coordenador do Projeto: Jakob Sand

Cliente: Ville de Montpellier

Arquiteto Local: A+ Architecture

Engenharia Estrutural + MEP: Egis Bâtiment Méditerranée

Paisagismo: Base

Consultor de Finanças: L’Echo

Consultor de Sustentabilidade: Celsius Environnement

Consultoria Acústica: Cabinet Conseil Vincent Hedon

Área: 7800.0 m²

Ano: 2018

14-hum-image-by-big-mir-10_original

Resumo

Museu do Corpo Humano

BIG foi anunciado como o vencedor do concurso internacional para a nova Cité du Corps Humain (Museu do Corpo Humano) em Montpellier.

Radicado na longa história médica da cidade, com a escola de medicina de renome mundial, que data do século X, o museu de 7800 m² busca “explorar o corpo humano a partir de um enfoque artístico, científico e social através de atividades culturais, exposições interativas, performances e oficinas”.

Seu projeto, guiado por oito formas ondulantes que “se costuram” para criar um espaço contínuo subjacente, serviram como mediador entre a natureza e a cidade, o Parque Charpak e a prefeitura da cidade de Montpellier. As impressionantes vistas, acesso de luz do dia e conexões internas serão reveladas pelo volume inconstante do museu.

15-hum-image-by-big-mir-11_original

“Como a mescla de duas substâncias incompatíveis – aceite e vinagre – o pavimento urbano e a grama do parque fluem juntos se abraçando mutuamente, formando bolsões em terraços com vistas para o parque, elevando ilhas de natureza acima da cidade. Uma série de pavilhões aparentemente singulares se costuram entre si para formar uma instituição unificada – como dedos individuais unidos em uma aderência mútua”, explica Bjarke Ingels.

A cobertura do museu funciona como um jardim ergonômico – uma paisagem vegetal e mineral dinâmica que permite aos visitantes explorar e expressar seus corpos de diversas formas – desde a contemplação à atuação, do relaxamento ao exercício.

As fachadas do Museu do Corpo Humano são transparentes, o que maximiza a conexão visual e física com o entorno. Na fachada sinuosa que oscila entre o Norte e Sul, Leste e Oeste, a orientação da gelosia varia constantemente, protegendo da luz solar enquanto se assemelha a padrões de uma impressão digital humana.

O júri, encabeçado pela prefeita da cidade, Sra. Hélène Mandroux, escolheu o BIG entre outras cinco equipes internacionais, pré-selecionadas, e elogiou o desenho do escritório por sua combinação de qualidades inovadoras, meio-ambientais e funcionais. O novo museu contribuirá ao rico patrimônio científico e cultural de Montpellier, que atrai a turistas, famílias, grupos de escolas, acadêmicos e amantes da arte.


Esse foi mais um dos Projetos apresentados no ALAC – Atelier Livre de Arquitetura Contemporânea. Um Curso gratuito que sempre está com inscrições abertas para estudantes e profissionais que buscam se atualizar.

Conheça: http://www.colegiodearquitetos.com.br/atelier-livre-de-arquitetura-contemporanea/

 

Museu Salvador Dali

Museu Salvador Dali POR HOK

O Museu Salvador Dali em St. Petersburg, Flórida, o novo edifício dobra o tamanho do original armazém andares Dali Museum construído em 1982.

Salvador Dali Museum por HOK

 

Utilizando geometria geodésica de forma livre, o vidro triangular organicamente flui ao redor e atribui à caixa rígida de concreto inacabada, um jogo de duros e moles, protegendo as pinturas de Dali e, simultaneamente, proporcionando luz natural e abertura para a baía adjacente. Este é o primeiro uso desse tipo de geometria geodésica de forma livre nos Estados Unidos.

Conceito de design da HOK é desenhada diretamente da finalidade do edifício. É inspirada tanto pela arte surrealista de Dalí e pela necessidade prática para abrigar a coleção dos furacões que ameaçam a costa oeste da Flórida.

Salvador Domingo Felipe Jacinto Dali i Domènech1º Marquês de Dalí de Púbol (Figueres, 11 de Maio de 1904 — Figueres, 23 de Janeiro de 1989), conhecido apenas como Salvador Dalí, foi um importante pintor catalão, conhecido pelo seu trabalho surrealista. O trabalho de Dalí chama a atenção pela incrível combinação de imagens bizarras, oníricas, com excelente qualidade plástica. Dalí foi influenciado pelos mestres do Renascimento.1 2 O seu trabalho mais conhecido, A Persistência da Memória, foi concluído em 1931. Salvador Dalí teve também trabalhos artísticos no cinema, escultura, e fotografia. Ele colaborou com a Walt Disney no curta de animação Destino, que foi lançado postumamente em 2003 e, ao lado de Alfred Hitchcock, no filme Spellbound.3 Também foi autor de poemas dentro da mesma linha surrealista.

 

1294928988-dalimuseum-010411-7155

Arquitetos: HOK
Localização: St. Petersburg, Florida, EUA
Programação e Planejamento Mestre: HOK
Cliente: Salvador Dalí Museu
Projeto Área: 68.000 SQF
Projeto Ano: 2011
Fotografias: Moris Moreno , Michael Rixon

 

1294929005-dalimuseum-010411-7350

1294931814-second-floor-lobby

1294929055-dalimuseum-010511-8114

Fonte:

http://www.archdaily.com/103728/salvador-dali-museum-hok/

.

Proposta para um Museu de Artes para Mogi das Cruzes

Proposta para um Museu de Artes para Mogi das Cruzes

Proposta para um Museu de Artes para Mogi das Cruzes               Proposta para um Museu de Artes para Mogi das Cruzes

Mogi das Cruzes, cidade quatrocentona em idade e população tem em sua história vários artistas plásticos que por aqui viveram ou passaram, sendo que alguns alcançaram sucesso alem fronteiras e outros morreram no anonimato.

A Cidade por si esquece completamente que o último Salão de Arte ocorreu em 1970, denominado de Mogi Arte, na recém inaugurada Biblioteca Municipal onde antes era o Itapety Clube, em cima do Cine Urupema. Da década de 70 e com uma Exposição dos Gravadores na inauguração do Colégio São Marcos, na Rua Senador Dantas na década de 80, Mogi mergulhou em um ostracionismo de apresentações de arte que desvalorizam o grande número de artistas que hoje expõem em Hall de Teatro, Rodoviária, Shopping, Hipermercado e Praças, ferindo a dignidade e desvalorizando as obras dos artistas Mogianos.

A proposta da criação de um Museu de Artes para a cidade de Mogi das Cruzes, independente de local ou mesmo de nomenclatura esta mais ligada à questão de que os artistas também são cidadãos, pagam impostos e precisam de um espaço para que possa mostrar seus trabalhos. Por outro lado os cidadãos precisam ter contato com as artes em todas as suas manifestações, pois elas são os espelhos da alma, um registro dos sentimentos contemporâneos e históricos.

Partindo do efeito causado na rede social, onde atingiu centenas de milhares de pessoas, com um grande número de compartilhamentos e comentários favoráveis à criação de um Museu de Artes para Mogi das Cruzes, aconteceu uma primeira reunião presencial com o objetivo de ver o intercambio entre o virtual e o real. Artistas, Intelectuais, Historiadores e Professores compareceram e concordaram com a criação de uma Associação Pró-Museu.

Associação Pró-Museu

                Proposta para um Museu de Artes para Mogi das Cruzes

A proposta da Associação Pró-Museu é a composição de Entidades representativas da Sociedade civil mais a Secretária da Cultura, no sentido de estabelecer diretrizes para o futuro Museu de Artes.

Considerando o Museu de Artes como um espelho do mundo, repleto de possibilidades surpreendentes ao encontro de passagens misteriosas que levam a ambientes desconhecidos, onde todas as questões do universo podem ser descobertas;

Considerando Museu de Artes como fenômeno, onde a construção de conhecimento na troca, na experiência e na criatividade, meio para o estímulo da capacidade criativa por meio de sua integração ao cotidiano dos seres com os quais se relaciona e os quais põe em relação;

Considerando a arte contemporânea, hoje se lançam ao mundo em comum como discurso, como notícia, como idéia e provocação. Ao adotar a imersão na sociedade capitalista e a adesão à publicidade e ao consumo, características presentes já na Pop Art norte-americana, muitos artistas contemporâneos têm elaborado seus trabalhos a partir das idéias de mercado e de simulação de mitos.

Considerando que a arte não mais se restringe ao âmbito da ritualidade, tampouco se mantém no terreno da representação, tendo em vista os movimentos gerados desde meados do século 19, quando se rompia a definição da pintura em termos de mimese, após a invenção da fotografia. A arte contemporânea, “nascida de um impulso crítico, reflexivo, político e antiestético”, grandemente baseada em processos, muitas vezes não produz nem mesmo resíduo material e, em velocidade acelerada, dirige-se ao universo da informação, o que instiga a museologia a repensar a idéia de museu de arte para além da preservação e apresentação de objetos, aproximando-se a um museu conceitual, tanto quanto físico.

Considerando que o Museu de Artes como “processo vivo” tem dentre suas características fundamentais a pluralidade, a diversidade e o dinamismo, não como opção, mas pela necessidade do diálogo entre contraditórios, que gera o movimento e a transmutação.

Considerando que o Museu pode ser simultaneamente: a verdade (real); a ilusão da verdade (fantasia); a permanência (registro); e a irrupção do novo (espontaneidade, criação).

Pelos considerados acima nasce uma proposta inicial de se pensar o Museu de Arte em Mogi das Cruzes, onde nos leva a responder as seguintes questões:

  1. Qual será a linha do Museu;
  2. Quem serão os parceiros;
  3. As atividades pretendidas para o Museu;
  4. Como será a Adequação do espaço para a função do Museu;
  5. Quem gerenciará o Museu, considerando o desejo de que a administração não participe da gestão direta;
  6. Corpo técnico necessário para o funcionamento do Museu;
  7. Área de influencia do Museu.
  8. Outras propostas sugeridas pelos membros da Associação Pró Museu.

Todas estas questões serão respondidas e formatadas em forma de um Projeto para apresentação inicialmente para a Fundação Telefônica e outros futuros parceiros, para que possamos tornar o Museu de Artes de Mogi uma realidade duradoura que ultrapasse os mandatos e a vontade dos nossos administradores.

Após a reunião ocorrida no dia 10 de novembro de 2011, no CECAP, ficou acertado de que: o Movimento esta aberto a todas as Entidades e Instituições representativas da sociedade para fazer parte da Associação Pró Museu. Que o programa de necessidades do Museu, isto é como ele deverá funcionar, vai contar com a participação das redes sociais e dos cidadãos que quiserem opinar. O e-mail para sugestão é o museumogi@gmail.com

 

Clique e conheça um pouco da História do Prédio da Telefonica

Vamos compartilhar esta idéia

.

Eu quero um Museu de Artes para Mogi

Eu quero um Museu de Artes para Mogi

 

Eu quero um Museu de Artes para Mogi

Tudo começa com uma idéia de transformar o Prédio da Telefônica em Mogi das Cruzes, hoje deteriorado na paisagem urbana e subutilizado pela empresa em um Museu de Artes para a cidade de Mogi das Cruzes. De localização privilegiada e com uma arquitetura que contribui para este novo uso, a proposta é um resgate da paisagem para a cidade.

A idéia já havia sido apresentada pela mídia no final de 2010 e começo de 2011, mas ganhou corpo com a inserção no mês de outubro de 2011 no Facebook do CECAP – Centro Cultural Antonio do Pinhal, propondo uma Campanha para transformar o edifício em um Museu de Artes. Foram centenas de comEu quero um Museu de Artes para Mogipartilhamentos e outras centenas de pessoas que curtiram fora os comentários apoiando a idéia, onde segundo estimativa da mídia impressa atingiu um número de mais 30.000 pessoas.

Com todas estas manifestações somando as repercussões da mídia fez com que o CECAP tomasse a iniciativa de promover uma reunião para debater e viabilizar a proposta, fazendo com que as intenções saíssem do mundo virtual e fossem para o mundo real.

No dia 27 de outubro de 2011, no CECAP ocorreu a primeira reunião, onde artistas e intelectuais se posicionaram com relação à idéia e desta reunião se chegou à conclusão da criação de uma Associação Pró-Museu, onde foi entendido de que a Cidade de Mogi das Cruzes, com seus 400.000 habitantes e com um orçamento anual que ultrapassa 1 bilhão de reais, precisa de um espaço específico para exposições de artes.

 

Pense Vermelho

Eu quero um Museu de Artes para Mogi

Nesta reunião ocorrida no dia 27 de outubro também ficou decidido de uma Campanha de adesão à idéia: “Eu quero um Museu de Artes para Mogi”, onde foi proposta que nos próximos 15 dias todos aqueles cidadãos que compartilham com esta idéia, usem um lenço ou uma peça de roupa vermelha como apoio a esta causa.

A classe artística de Mogi das Cruzes há muito esquecida pelo Poder Público, pede para a população geral que apóie esta idéia. Pois Cultura é fundamental para a compreensão de diversos valores morais e éticos que guiam nosso comportamento social.   Entender como estes valores se internalizaram em nós e como eles conduzem nossas emoções e a avaliação do outro, é um grande desafio.

Contamos com seu apoio.

Paulo Pinhal

Curador do CECAP

.